segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

SEMINÁRIO SUPERANDO O EGO

inscreva-se pelo site: www.bkwsu.org/brasil

Convivendo Comigo




Por Jacqueline Berg
Biografia da autora: Jacqueline Berg, escritora e autora, é diretora da Brahma Kumaris na Holanda.
Jacqueline Berg descreve como podemos nos libertar das prisões auto-impostas a que nos submetemos.

Recentemente, li um anúncio que dizia, “Seja diferente. Seja você mesmo.” Isso me lembrou de uma história que ouvi certa vez sobre um leão que foi separado de seus pais no nascimento. Ele cresceu num rebanho de ovelhas. Pelo fato de o filhote acreditar mesmo ser uma ovelha, comportava-se como uma. Ele era um leão em traje de ovelha.
A história do leão é um pouco parecida com muitas de nossas próprias histórias. Nós também freqüentemente estamos num traje. Nós também parecemos esquecer quem realmente somos. Por causa desse engano, temos nos identificado com diferentes imagens e idéias. Colocamos máscaras e realmente começamos a acreditar que somos essas máscaras. É claro que é impossível ser feliz se você é um leão e vive como uma ovelha. 
O segredo de conhecer-se é que existe algo dentro de você totalmente diferente daquilo que você finge ser.

A única maneira de conhecer esse “eu” verdadeiro é através de uma pesquisa consciente. 
A maioria das pessoas não tem tempo para isso. Será que eu deveria dizer que elas não criam tempo para isso? Essa é a beleza do tempo: você pode criá-lo. 
Durante minha pesquisa, descobri quatro coisas que são de importância vital:
- A primeira é o silêncio. 
- A segunda é o relacionamento comigo mesmo. 
- A terceira é o relacionamento com o Supremo e finalmente vem meu relacionamento com aqueles que estão à minha volta. 
É realmente importante pensar nelas nessa ordem. Nós normalmente as abordamos numa ordem diferente. 
Estamos muito conscientes sobre os relacionamentos que temos com os outros, alguns de nós pensam sobre Deus, poucos pensam no seu eu interior e dificilmente alguém tem um relacionamento com o silêncio.
Antes de começar a meditar – há uns 25 anos – eu não considerava muito o silêncio em minha lista de prioridades. Não tinha uma idéia clara do que ele realmente era. Eu era viciada em trabalho, e pessoas assim não desperdiçam tempo em hobbies fúteis como o silêncio. Minha vida era ativa, dinâmica. E era assim na família também. Após divorciar-se, minha mãe contou-me porque ela sempre esteve tão incrivelmente ocupada. Ela literalmente esteve fugindo da dor que sentia por causa do seu casamento não-preenchedor. Isso me despertou para o fato de que o trabalho pode ser apenas outro vício, um modo de encobrir a dor, um modo de evitar as coisas com as quais não sabemos lidar. 
Então, essa é a maneira como fui criada: nunca parando, nunca sendo, sempre fazendo!
Minha jornada interior começou com o desejo de quebrar esse ciclo vicioso de ficar dando voltas; tentando “simplesmente ser” para mudar um pouco. Os primeiros anos na meditação não foram fáceis. Achei difícil relaxar e não conseguia sentar-me em silêncio. Minha mente criativa continuava correndo. 
Foi realmente meu corpo que veio para me salvar e forçou-me a sentar – ou em outras palavras – silenciar-me. Lentamente, mas definitivamente, minha mente aceitou-se derrotada e enquanto a bandeira branca estava sendo hasteada, o silêncio entrou.
Leva tempo acostumar-se a estar em silêncio e não fazer “nada”. Lembro-me de uma manhã quando estava sentada no sofá – meditando – quando um dos vizinhos passou pela janela. Antes disso, havia pegado uma revista e fingia lê-la. Por tanto tempo vivi com a idéia, “Eu faço, portanto eu sou.” Tinha receio de que os vizinhos pensassem que eu não estava fazendo nada. Mas estava mais receosa ainda daquela voz interior, o Crítico Interior, que me puxou para além dos meus limites durante muitos anos. Agora que minha mente estava se tornando mais silenciosa, tornei-me mais consciente dessa voz interna. Custou-me certo tempo para entender o que esse criticismo interno faz, o quão é destrutivo.
Muitas pessoas confundem criticismo com intelectualismo; eles pensam que é bom ter opinião sobre tudo e julgar os outros. 
Mas descobri que isso realmente é um hábito muito negativo. Machuca os outros e, acima de tudo, você se machuca com esse tipo de julgamento negativo. Acho que ele deriva da noção errada de perfeccionismo. Perfeccionismo não é o mesmo que perfeição, no sentido de inteireza. “Ser completo” significa ser completo com todos os poderes e virtudes dentro do eu. Perfeccionismo é algo diferente. 
Perfeccionistas tentam controlar pessoas e situações de modo que nada dê errado. Eles querem que tudo aconteça tranqüilamente e não conseguem lidar com imprevistos. 
Ao invés de focarem-se na beleza da vida, são obcecados pelos defeitos e imperfeições deles próprios e dos outros. Corrigem a eles mesmos e aos outros continuamente – às vezes em palavras, sempre em pensamentos.
Não estou dizendo que nós não devemos tentar tornar as coisas melhores e nos esforçarmos para a perfeição. Afinal de contas, todos viemos de um estado de harmonia interna e completude. Então, é muito natural que queiramos retornar àquele estado uma vez mais. Mas a raiva projetada por ter perdido sua própria perfeição não vai trazer a completude de volta. 
De fato, isso cria muitos problemas nos relacionamentos. Não é fácil enfrentar, ou mesmo ver, os seus próprios defeitos. É mais fácil ver isso nos outros, e então, o Crítico Interno os ataca. E sempre há alguma coisa: a maneira como alguém se veste, fala, comporta-se... não há fim para isso. Mas o que estamos realmente fazendo é criticar nosso próprio comportamento.
A maneira de conhecer o Crítico Interno é prestar atenção aos seus sentimentos: como eu me sinto sobre mim? Como me sinto sobre as outras pessoas? 
Recentemente, meu dentista disse-me que se ele tirasse minhas obturações de mercúrio, meus sentimentos por mim mudariam. Não é surpreendente que algo assim pode realmente mudar o modo como nos sentimos sobre nós mesmos? Os sentimentos podem mudar tão rapidamente e existe muita influência, assim, a melhor maneira de ver os sentimentos é: eles são apenas sentimentos. 
E um sentimento leva a outro. Quando você olha por trás desses sentimentos e emoções, ainda há você. É o que acontece em relação à raiva: você pode sentir raiva, mas isso não faz de você uma pessoa raivosa. 
É bom separar seus sentimentos de você mesmo.
Veja o medo, por exemplo. Há alguns anos viajei para a Austrália. Eu estava num vôo doméstico que levaria apenas 45 minutos. Mas, no caminho, pegamos uma tempestade tropical, com muita chuva. Tentamos aterrissar, decolar novamente, e aterrissar mais uma vez. Isso aconteceu sete vezes. A experiência foi terrível, as pessoas gritavam sem parar. 
De qualquer forma, o fato é que eu tenho medo de voar, então, você pode imaginar como me senti. Meu medo cresceu e cresceu até que cheguei aos limites do medo. Eu não poderia estar mais amedrontada. Então, de repente, ele desapareceu. Foi embora. Comecei a sorrir. Vi quão engraçada era a situação e consegui acalmar os outros à minha volta. Quando chegamos ao nosso destino, 11 horas depois, percebi profundamente: um sentimento é somente um sentimento. Ele pode incomodá-lo durante anos, e então, de repente, ir embora. Sentimentos mudam, nós não!
Quando permito que o silêncio entre em minha mente, descubro quem sou, lá no fundo. 
Começo a entender minhas motivações. Posso ser honesto comigo. Não preciso enganar-me. Quando começo a me ouvir, é possível descobrir coisas diferentes daquilo que eu esperava encontrar. 
Talvez eu seja uma pessoa muito diferente de quem pensava ser. Talvez eu seja um leão vivendo num traje de ovelha. Se sou, então o processo de reconhecimento e mudança começa. 
Pode ser um pouco dolorido destruir as imagens criadas de nós mesmos, mas acima de tudo, é uma liberação. 
É claro que as pessoas à nossa volta dirão: “espere aí, esse não é você, isso não é como eu conheço você.” Eles tentarão puxá-lo de volta. 
É necessário coragem para mudar. 
Pode ser doloroso descobrir quão pouco seus amigos e família o conhecem de verdade. Mas, na realidade, você não pode culpá-los. Afinal de contas, foi você quem os induziu ao erro ao não lhes mostrando seu verdadeiro eu. Você mostrou-lhes somente a máscara.
Temos nos identificado com muitas coisas externas. As pessoas têm muitas faces. Nossa identidade está nas roupas que usamos, nos empregos que temos, onde vivemos e assim por diante. 
Algumas pessoas são completamente diferentes no trabalho do que são em casa. Elas mostram somente uma parte delas no trabalho. Num certo sentido, enganam seus colegas. 
Na Prisão Estatal Holandesa, ensinei meditação para homens jovens, os quais estavam lá por causa de crimes relacionados com drogas. Então, além de suas penas, eles eram viciados. Não era um grupo fácil! Foram-lhes oferecidas sessões de psicoterapia para torná-los conscientes da dor de seu passado. Isso é importante, pois haviam tentado fugir do passado por meio das drogas. 
Depois que eles ficaram sóbrios, tive a oportunidade de fazer sessões de meditação e pensamento positivo com eles. Esses garotos ensinaram-me muito sobre mim. Eles não deixaram se agarrar a nada! Seus amigos e namoradas não queriam mais vê-los; muitos deles haviam perdido seus dentes e cabelos. Falei com eles sobre prisão em liberdade. Eles sempre falavam para mim: “O que você sabe sobre prisão? Quando você sair desse lugar, estará livre.”
Mas o que é liberdade? 
Talvez eu esteja viciada no meu trabalho, no meu relacionamento ou em negatividade. Essas jaulas da alma também são prisões. 
Alguns de nós estamos presos de forma tão firme, que é como se tivéssemos dado a nós mesmos uma sentença para a vida toda. Eu digo aos reclusos que honestamente não sei quem está mais livre, eles ou nós do lado de fora. Afinal de contas, eles têm todo o tempo do mundo para repensar suas vidas. Longe da luta da vida diária, é muito mais fácil mudar padrões. 
Algumas pessoas gastam muito dinheiro para passar o tempo num retiro ou numa ilha privada apenas para afastar-se de tudo, a fim de colocar as coisas em ordem. Quando digo àqueles jovens na prisão que algumas pessoas podem até ter um pouco de inveja deles, eles riem, mas entendem.
Eles também estão abertos à meditação. E amam isso. Deitam-se no chão, acomodam-se em suas cadeiras, às vezes choram. Por alguns minutos experimentam-se como realmente são. 
Sentar-se juntos em meditação faz você esquecer que está na mesma sala com assassinos e assaltantes. Eles também se esquecem dessas coisas. Nós simplesmente sentamos juntos e esquecemos as máscaras. Encontramo-nos como almas. 
Em terapia, as pessoas freqüentemente focam somente naquilo que deu errado. Quando encontro esses garotos, eu lhes digo: “esqueçam-se um pouco de seu passado. Vejamos quais qualidades e especialidades vocês deixaram”. Quando eles expressam algumas dessas qualidades, eu os relembro disso. Não me lembro de seus nomes, mas me lembro de suas qualidades.
O perdão é muito importante para eles. Somente quando aprenderem a perdoar-se é que podem abandonar suas identidades falsas. Eles precisam entender por que estavam fazendo aquelas coisas: não é porque são pessoas más, mas por causa da falta de entendimento. Somente assim eles podem perdoar e reconquistar sua auto-estima novamente.
Perdoar-se significa curar seu coração. 
Se você continuar se punindo, ainda estará atrás das grades. Ainda estará na prisão. E por estar na prisão, você aprisiona os outros também. Ninguém quer estar preso sozinho. Nós queremos companhia. Se sua identidade é baseada em vergonha, você vai procurar por outros que tenham o mesmo problema. E sempre irão machucar-se uns aos outros. 
Pessoas machucadas machucam pessoas. 
Essas projeções uns nos outros irão continuar até que você se cure. E só quando você se curar é que será capaz de curar os outros.
Devemos entender que somos livres. As almas são livres. Ninguém pode nos aprisionar; nós é que escolhemos nos aprisionar. Transformamo-nos em vítimas. E se gostamos de desempenhar o papel de vítimas, sempre há alguém querendo desempenhar o papel de vitimizador – o pássaro e a gaiola. 
Se queremos ser livres, meu conselho é: Não fuja de sua “gaiola”; não fuja de seu(s) relacionamento(s). Ao invés disso, entenda o que está acontecendo e mude. 
Para mim, isso é honestidade. E esse é o único modo de libertar-se verdadeiramente. Não gaste toda a sua energia tentando mudar os outros. É inútil. Toda a sua energia será usada em discussões, lutas e nas mesmas brigas, repetidas vezes. Os outros só vão mudar quando eles quiserem, quando eles entenderem que têm de mudar. 
A mudança vem de uma motivação interna. 
Mas se usamos nossa preciosa energia para mudar a nós mesmos, as chances são de que o outro também mude. É hora de regenerar a sua alma.
Relacionamentos verdadeiros começam com silêncio. 
Portanto, você pode começar a criar um relacionamento melhor consigo, então, com o Supremo, e então com os outros. A razão pela qual os relacionamentos com os outros vêm por último é porque os outros nunca vêem em nós o que Deus vê. Freqüentemente nos vemos através dos olhos dos outros. Então, se alguém vê somente 20% do que somos, também só vemos esse tanto. Deus nos vê como somos, Ele vê nosso potencial completo. 
Se você aprender a olhar-se da forma como Deus o vê, você começará a ver seu eu verdadeiro. Se aprender a conectar-se ao Ser Supremo, seus sentimentos puros serão estimulados e reforçados. É maravilhoso estar em contato com um ser que é tão próximo à sua natureza original. Você se sente muito confortável na presença de alguém que é consciente da alma. Você começa a relaxar, pois está sendo reconhecido. Não precisa provar mais nada a si mesmo.
Acredito que atualmente vivemos num período no qual as pessoas estão começando a entender essas coisas. Mas temos que parar de desperdiçar energia e concentrarmo-nos naquilo que realmente é necessário. 
A prática de meditação é sobre aprender a não ser influenciado, ser você, salvo e protegido naquela energia pura. Meditação é sobre sentir sua própria energia da alma. 
Realmente sentir: "isso sou eu; aquele sentimento de que sou único, sou especial." Então, o processo completo é expressar aquela energia na sua vida diária, em seus relacionamentos. Mas, em primeiro lugar, você tem que praticar para senti-la, até que se torne estável na sua identidade verdadeira. 
Quando você começa a sentir quem realmente é, não há necessidade de lutar contra vícios ou pessoas à sua volta. 
De fato, não há necessidade sequer de lutar. É um processo muito natural. Quando mudarmos nossas atitudes, seremos capazes de mudar o mundo. 
Como vocês vêem, Deus precisa de ajuda. Ele precisa de mentes livres!

*este texto está no site www.bkwsu.org/brasil



domingo, 5 de janeiro de 2014

FOTOS DO REVEILLON 2013 NO PORTAL








feliz 2014 para você!!

evento FÉRIAS NA BRAHMA KUMARIS



inscrições www.bkwsu.org/brasil

informações: 31 3371 9802

A poesia da transformação - por Ken O´Donnell




Andava só, ilhado pelos próprios pensamentos, as palhas dos problemas agarradas a mim.
As mãos fechadas, o destino maior impedido.
Atirei-me no fogo do amor e vi que somente as palhas são
consumidas.
A casca de máculas se derrete e revela o ser intocado.
Qual é o sacrifício, se apenas o inútil se queima?
E suas chamas iluminam o caminho reto da plenitude.
Que perdas há?
Se a minha fortuna se acende de vez
E sua luz desfaz o poder das antigas sombras endeusadas no altar de uma mente cega.
No espelho do saber, apenas a verdade se reflete dignamente

Apenas aquele que se livra da carga tem a leveza de se ver.

Do livro: Reflexões para uma vida plena de Ken O´Donnell

domingo, 8 de dezembro de 2013

Você sabe quem é Dra. Nirmala Kajaria?





Ao dedicar sua vida ao serviço espiritual com a Brahma Kumaris ao longo dos últimos 50 anos , Dra. Kajaria tem participado em muitos eventos públicos em mais de cem países.
Seguem referências de algumas de suas principais atividades:
1998
QUATRO FACES DA MULHER – seminário com convidado especial e mentor George Town – Guiana e Austrália
2001
SAÚDE E BEM-ESTAR – seminário - Manila, Filipinas
2002
CUIDADOS COM O CORAÇÃO - Ministério da Saúde, Ministério da Saúde Pública , Bangkok , Tailândia
2003
GESTÃO DO STRESS PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE - seminário para médicos  -  Vietnam
CURA INTERIOR - seminário para o Departamento de Saúde Mental do Ministério da Saúde Pública - Bangkok , Tailândia
BENEFÍCIOS DA DIETA VEGETARIANA - seminário para Médicos e nutricionistas do Instituto de Nutrição de Hanoi – Vietnan
2004
SAÚDE , BEM-ESTAR E QUALIDADE DE VIDA -  Hospital de Valência - Espanha
SAÚDE E ESPIRITUALIDADE – palestra para profissionais de saúde especializados - Kobe, Japão
A INFLUÊNCIA DOS PENSAMENTOS E SENTIMENTOS NO PROCESSO DE SAÚDE E DOENÇA - diálogo público com psiquiatras  - Barcelona, ​​Espanha
POSSÍVEIS SOLUÇÕES PARA DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS - seminário para profissionais de saúde - Valência, Espanha
FESTIVAL DE SAÚDE – palestrante - São Petersburgo, Rússia
DOENÇA : RAZÃO E CONSEQÜÊNCIA – diálogo aberto ao público - Moscow, Russia
2006
MEDITAÇÃO E CURA INTERIOR – diálogo com profissionais de saúde - Thai Privilege Health Care Co. Ltd, Bancock - Tailândia
2007
LIDANDO DE FORMA HARMONIOSA COM O PASSADO - palestra, Hospital de St Vincent - Melbourne, Austrália
2008
GERENCIAMENTO DO ESTRESSE PARA MÉDICOS - seminário, Khaleda Zia Medical College - Dhaka, Bangladesh
2009
RECURSOS PARA A MENTE INQUIETA – diálogo público - Westmead Hospital, Sydney, Austrália
2011
MEDITAÇÃO E MEDICAÇÃO - palestra pública com a Associação Indiana de Myanmar, Mianmar
2012
MENTE SOBRE A MATÉRIA - palestrante no Seminário de Saúde Holística para 100 oficiais do Exército do Comando Sul Ocidental e Júnior Cadetes - Jaipur, Índia
CORPO, MENTE E MEDICINA - painel -  Agartala e Assam - Índia
O MILAGRE DA AUTO-CURA - palestra pública -  Jacarta, Indonésia
MELHORAR A SAÚDE E AS RELAÇÕES - programa público - Auckland , Nova Zelândia
PODER DE CURA DO SILÊNCIO - programa para os médicos , Colombo , Sri Lanka
VIDA SAUDÁVEL - programa público de 125 pessoas - Sri Lanka


sábado, 30 de novembro de 2013

INTELIGÊNCIA ESPIRITUAL - artigo de Ken O´Donnel escrito em 1996

     Um dos pontos chaves da minha aprendizagem surgiu numa palestra sobre o estado do mundo há mais de vinte anos, na qual o conferencista fez a seguinte pergunta: “Você faz parte da solução ou parte do problema?” Isto me fez refletir profundamente se eu estava contribuindo com alguma ação prática para melhorar a parte do mundo com a qual tive contato. Ao invés de passar meu tempo procurando, analisando e criticando defeitos nas coisas e nas pessoas, tratei de observar o que acontecia dentro de mim. Mais tarde eu pude ver que estes três aspectos fundamentais da vida estavam completamente interligados conforme o diagrama seguinte:


     Há pessoas que são excelentes em organizar coisas, programas e eventos no que diz respeito ao planejamento, ordem, horários e números. Quando tratam de colocar outras seres humanos dentro do seu esquema ‘inteligente’ não conseguem fazer funcionar com a mesma facilidade o que consta no papel ou nas suas cabeças. A razão simples é que não conseguem ver que outros indivíduos têm seu próprio livre arbítrio, atributos, perspectivas e jeito de ser e fazer. Falta a sensibilidade de compreender esta simples verdade ou detectar o momento e o espaço sagrados para o outro. Quando delegam não têm a paciência de preparar seus colaboradores para as tarefas, mas não hesitam em cobrar (aos gritos às vezes) a falta de preparo.
     Há muitos que são excelentes em relacionar-se com os outros respeitando o direito inalienável de cada um ser o que é. São capazes de inspirar amor e compreensão pela doçura e percepção que têm do estado dos seus interlocutores. Entretanto, ao organizar uma atividade que requer uma compreensão de detalhes, logística, quantidades e cronologias elas se perdem, esquecem tudo e geram confusão.
     Existem aquelas que sabem administrar bem as coisas e as pessoas mas sua vida interna é uma montanha russa de altos e baixos que, só com um enorme esforço, não deixam transparecer. Os pensamentos, emoções, desejos e imagens se pipocam na tela das suas mentes de uma maneira tão desordenada que o mundo externo se torna o lugar de fuga para não ter que ficar dentro das suas cabeças com seu transtorno interno. Surgem assim os trabalhólatras e dependentes emocionais em relacionamentos. Se dedicam às coisas e/ou as outras pessoas para escapar da falta de sossego na casa do ser.
     A firmeza, determinação, perspicácia, coragem e outros valores ativos importantes em pessoas decisivas têm que estar casados com valores passivos com a paciência, tolerância, afetividade e sensibilidade quando se trata de convivência com outros seres humanos. Os dois tipos de valores nascem e são nutridos pela espiritualidade.
     O verdadeiro equilíbrio entre organizar coisas e pessoas requer a auto-administração e uma dose boa de outro quociente — o espiritual.

Este artigo é do livro "Endoquality: As Dimensões Emocionais e Espirituais do Ser Humano nas Organizações", publicado pela Editora Casa da Qualidade (1997). Foi neste livro que Ken O´Donnel introduziu a Inteligência Espiritual, a primeira vez que apareceu o conceito num livro, pelo menos no Brasil.